karl-fredrickson-GEJxI_QRPwM-unsplash.jp
karl-fredrickson-GEJxI_QRPwM-unsplash.jp
Psicoterapia Infantil

A psicoterapia infantil é recomendada quando a criança apresenta algum distúrbio, comportamento ou hábito que venha atrapalhar seu desenvolvimento social, familiar ou escolar.

 

Falta de concentração, problemas de aprendizado e de interação social, distúrbios físicos, medos e compulsão por comida, são alguns dos sinais de que a criança necessita de ajuda especializada.
 
Para entender e identificar os problemas das crianças, o psicoterapeuta adota alternativas lúdicas, como brincadeiras, desenhos e jogos. As atividades desenvolvidas são baseadas na idade. Esta metodologia possibilita conhecer mais profundamente a criança, incluindo suas aflições, comportamentos e sentimentos. A participação dos pais neste processo é essencial, pois somente assim eles terão conhecimento sobre as adversidades do filho.
 
São vários os aspectos positivos da psicoterapia infantil, sobretudo, a superação dos sentimentos e sensações que incomodam a criança. O tratamento facilita a resolução dos conflitos internos e externos que provocam perturbações emocionais ou físicas, promovendo assim o alívio dos sintomas, além de ajudar no desenvolvimento dos pequenos.

Como funciona a psicoterapia infantil?


A primeira coisa a ser feita é o agendamento de uma conversa franca com os pais, ou responsáveis. Nela o psicoterapeuta reúne as principais informações sobre a vida de seu futuro paciente, e conhece um pouco a dinâmica da família em que a criança está inserida.

 

Em seguida inicia-se um processo em que o objetivo inicial é estabelecer um vínculo de confiança entre o profissional e o paciente. A criança deve se sentir à vontade, deve ser acolhida e ouvida. O espaço e o momento serão dela e para ela.

 

É por meio das brincadeiras que a criança mais facilmente projeta sua forma de ser, apresenta seus medos, conflitos, sentimentos e comportamentos, e a partir deles, enfrenta e supera seus problemas. As produções de uma criança comunicam e denunciam muitas de suas dificuldades, inclusive as que ela não se sente “autorizada” a falar e com as quais, muitas vezes, nem sabe como lidar.

 

Os pais não assistem as sessões, mas a participação deles no processo terapêutico como um todo é essencial, pois somente assim terão conhecimento sobre as adversidades do filho. 

O Papel dos Pais na Psicoterapia Infantil

A psicoterapia infantil envolve não apenas o mundo das fantasias e realidades diretamente ligadas à criança, mas também uma avaliação dos hábitos e rotinas das famílias.


Esse olhar sobre a vida familiar como um todo, algumas vezes gera ansiedade e inseguranças por parte das crianças e por vezes também dos pais, ao perceberem que o olhar da psicoterapia infantil se estende sobre questões familiares mais amplas. Já que as dificuldades que a criança apresenta podem ter origem justamente nestas questões.

Para os pais deixar o filho aos cuidados de uma pessoa estranha, que trabalhará questões obscuras e despercebidas muitas vezes pelos próprios pais, é algo, por si só, amedrontador.

Porém, a partir da escolha do profissional, é importante que os pais depositem confiança nele para que o trabalho possa ser desenvolvido. Psicólogos são profissionais que estudaram muito as técnicas científicas e conhecem diferentes metodologias para ajudar seus filhos.